domingo, 11 de maio de 2008

A Deposição do Folclore

Não há coisa mais horripilante do que fazer a apologia da cultura popular, ou da cultura proletária ou sabe-se lá o que desta natureza. Há processos de singularização em práticas determinadas, e há procedimentos de reapropriação, de recuperação, operados pelos diferentes sistemas capitalísticos. Félix Guattari

Ensejo
Perdoem-me inicialmente pela gramatologia. Esse lagar densificado de termos, esse átrio imenso de falas poéticas, acadêmicas e desestruturadas, território de tantas expressões inventadas, e hora, melhor aproveitadas.

Os estudos culturais tornaram-se alvos de complexos ataques e debates intensos a cerca de conceitos que propagam idéias e defendem causas como se essas fossem tramas religiosas. O que proponho nesse pequeno texto não é isso. Ofereço, pelo contrário, certa dessacralização de termos, retirando da escravidão objetos e assuntos esmagados por determinadas menções e falas populares. Alguns desses conceitos estão enroscados de tal forma nas produções artísticas e em seus autores que a simples menção de si mesmos, ou representação, em relação a esses termos já estabelece um circuito fechado. Dizer-se ator de algo “proveniente de”, “essencial de” ou “pertencente a” traz precipitada territorialização e em seguida restrições desnecessárias.

Por exemplo, muito se fala em música regional. O inscrito “Regional” é um território complexo, ficcioso, nas palavras do sociólogo Pierre Bourdier, um espaço destinado a uma falcatrua dos espaços. A etimologia da palavra região (regio), tal como a descreve Emile Benveniste
[1], conduz a princípio da divisão, ato mágico, quer dizer, propriamente social, de diacrisis que introduz por decreto uma descontinuidade decisória na continuidade natural. Dessa forma, é possível retratar até uma expressão artística urbana como Regional. Tal definição de música Regional tornou-se lugar comum no ambiente das mídias. É quase uma luta entre identidades étnicas ou propriedades (estigmas ou emblemas) ligadas às origens através do lugar de origem dos sinais duradouros que lhes são correlativos, como sotaque, costumes, gestos, etc. São poderes simbólicos e tentativas de demarcações invisíveis. Mas então o que existe? Apenas expressões artísticas de culturas específicas. Muitas delas tem títulos interessantíssimos, tais como Mangue Beach, Cantoria Nordestina, Nova Cantoria, Música Caipira, etc. Assim como Bossa-nova é Bossa-nova. Daí, em grande parte, o regional é considerado como tudo aquilo que está fora do âmbito dos circuitos dos grandes centros ou cidades e é disponível apenas em mídias alternativas ou em iniciativas de apoios governamentais, como projetos e eventos de patrocínio a culturas artísticas e suas variadas manifestações.

Outro desconforto gira em torno do termo Folclore e tudo que este agrega. São complicados certos conceitos e práticas consideradas como “cultura nacional”, folclore, identidades, música popular, música regional e de raiz na identificação dos artistas e suas culturas artísticas. São todos termos etnocêntricos e desvirtuados da cena viva. Folclore por exemplo é uma invenção reacionária e valorativa. Um dos que mais tentam salvar o termo é Antônio Gramsci (filósofo e comunista) com abordagens fluentes, mas até então, para mim, não reagentes.
Diante de tais práticas, não é incomum observar comportamentos etnocêntricos que amplificam o grau da cultura-valor e expõem as expressões artísticas provenientes de ambientes diversos a um nonsense colonial (BHABHA).

O termo "folclore" compreende valores e noções que comprometem elementos importantes da alteridade e que são contraditórios na representação do objeto. Um desses principais problemas está na exotização das culturas. As idéias ou aspectos conceituais do folclore tecem conjunto de valores que servem como cenário para esquisitismos e exotismos, os quais, por sua vez, deixam rastros de falsas evidências sobre aspectos intrínsecos das culturas artísticas, principalmente em estudos que investigam tais manifestações. Segundo Renato Ortiz[2], configura-se em situação incômoda, e se agrava quando se sabe da preferência dos folcloristas pelo pitoresco, no qual os interesses são conduzidos para a dimensão do desconhecido, do bizarro, do curioso – “fantasmas, magias, tradições longínquas, culturas perdidas, tribos primitivas” (ORTIZ). Para o pesquisador, o folclore consiste numa “ciência menor”, que se articula à sombra de ciências legítimas tais como a sociologia, antropologia e história.

Comumente, os pontos de vista folclóricos explorados pelo conjunto social de produções culturais e da mídia atribuem valores e juízos, em grande parte, em detrimento de referências culturais ocidentais e etnocêntricas. Nesse sentido, o folclore define, segundo Canclini, os processos culturais como atividades intelectuais, restritivos a certas elites, em que, a partir de visões iluministas, exaltaram os sentimentos e as formas populares de expressão em oposição ao cosmopolitismo da literatura clássica; evidenciaram as diferenças, o valor do local, em oposição ao desprezo do pensamento clássico pelo “irracional”; trouxeram aos olhares hábitos exóticos de outros povos e de camponeses (CANCLINI). O conjunto desses argumentos termina fazendo do folclore uma disciplina que se generaliza nas expressões subalternas, orientado sob os auspícios do tato colonizador, com padrões imperialistas de enxergar as informações artísticas e culturais dos grupos rotulados como folclóricos. Uma espécie de visão do grande caçador branco sobre os costumes que se mantém quase sempre de acordo com uma tradição. O folclore trabalha segundo a concepção de “grupos de elite” que buscam despertar o povo e iluminá-lo em sua ignorância. Dessa forma, existe algo sistêmico tal como uma máquina que retroalimenta o âmbito ingênuo da cultura popular ou de raiz

O cantador Elomar, por exemplo, está incutido em acervos ou fendas culturais que consideram origens interioranas, rurais – telúricas –, ancestrais, mas não somente. Traz universo próprio, em que se mantêm expressões e costumes sobreviventes de uma memória, mas que se posiciona, na atualidade, ligada a outros movimentos artísticos musicais, temalógicos e à indústria cultural (Elomar comercializa CD´s). Sua obra ocupa lugar específico, constituído por outros artistas - cantadores - atuantes, com características peculiares que se retroalimentam. Seus atributos culturais e artísticos não podem entrar em comparação com outras manifestações, colocando-se à margem, no plano de vítimas daqueles não acolhidos por grupos que digladiam por espaços na mídia. Elomar pertence ao movimento da "Nova" Cantoria e têm articulação com culturas capitalísticas, novas mídias, formas de produção e criação. A diferença é que ele não altera seus ideais. Ele mantém sua produção cultural preferindo vencer limites restritivos da própria indústria cultural e dos fenômenos explosivos da cultura artística de massa. Enquanto isso, nos bastidores da cultura, as concepções folclóricas ou popularescas tendem a formar posicionamentos românticos e equivocados a respeito do cenário Elomariano e dos representantes da "Nova" Cantoria, na construção de um resgate do espírito antiquário (ORTIZ) e formulações reacionárias a respeito do sujeito que ali se inscreve.

O povo é “resgatado”, mas não conhecido (CANCLINI).

A intenção de divulgar esses ensaios atende a um campo dialogal desse tempo em que algumas comunidades insistem em roteirizar a dinâmica cultural dos povos e suas manifestações artísticas. Essas estruturas giram de acordo com os regimes periodistas e equivocados das análises culturais, principalmente as jornalísticas. A intenção é estender a conversação e nunca fechar os sistemas, nem possuir a certa razão. Mas sempre elucidar e abrir os campos do jogo, possibilitando outra forma de análise que desconcentra do lugar comum.

Desculpem a imensa verborréia. Amplexos malungos a todos.


[1] Émile Benveniste (1902, Cairo - 1976) foi um lingüista estruturalista francês, conhecido por seus estudos sobre as línguas indo-européias e pela expansão do paradigma lingüístico estabelecido por Ferdinand de Saussure.
[2] http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.jsp?id=K4781351Y1

2 comentários:

Vinicius Silva disse...

Um tema debatido por você aqui no seu blog, mas que até conversamos sobre, mesmo de uma forma indireta.

Lembro que comentava contigo sobre a deturpação que existe em relação ao cinema europeu, ao que eles chamam de alternativo. Boa parte dessa culpa se deve, obviamente, à própria mídia, como você bem cita, as impressões jornalísticas falam o que querem e apenas sacudimos a cabeça e aprovamos o que eles nos falam.

Na verdade, falar em uma expressão alternativa, vai muito além do que apenas citar filmes como "Juno" ou "Pequena Miss Sunshine" ou, talvez, as produções de Kar Wai, incluindo aí "Anjos Caídos", "Amor à flor da Pele" e o mais recente "Um Beijo Roubado". Todos esses filmes possuem gêneros cultos e alternativos, que são colocados pela mídia dessa forma porque somente entram no circuito alternativo, quando entram.

O que quero dizer com todo esse imbroglio é que isso não somente acontece com a expressão da arte cinematográfica, mas também com a música e com a cultura em geral. Somos muito presos ao que vem de fora e não encaro isso como um problema. Eu, por exemplo, gosto bastante do rock britânico. Ninguém precisa ficar seguindo o chamado "regional" no que diz respeito à música.

A verdade é que em tempos de globalização, de corporações, sociedades de consumo e toda essa conjuctura que move o mundo, estes termos citados por você perdem completamente os significados, ganhando outros, assim como o conceito deles também é reavaliado.

Enfim, não sei se viajei muito, mas foi mais ou menos o que entendi.

Abraços!

Duda Bastos disse...

Acho que precisamos estender esses nossos diálogos fílmicos. Por enquanto fiquemos com as divagações que indiferenciam sistemas brutos e bobos dos possíveis e imaginários.