sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Aforíntimos (2)

Falta loucura, falta nada. Falta calma e falta filtro. (Milena Paladino)

Os outros lugares são espelhos em negativo. O viajante reconhece o pouco que é seu descobrindo o muito que teve e o que não terá. (CALVINO, Ítalo. As cidades invisíveis.)

A 'deserotização' da vida cotidiana é o pior desastre que a humanidade pode conhecer...é que se perde a empatia, a compreensão erótica do outro (...) (Franco Berardi, Bifo)

7 comentários:

Gabriela disse...

erotizemo-a, quase que freudianamente, atendamos às libidinagens sãs e frutíferas,contudo, não estupremos ninguém, para que não se voltem contra nós as feridas mais pérfidas.

Mai disse...

Porra, vá se arrombar.
ADOREI! rs.

Duda Bastos disse...

Freud, o esteta falsário. Risos.

Jade Prado disse...

queeeeeeeeeeeede os créditos do título?

L í v i a disse...

Por mim, aboliria essas frieldades mundanas. Ceder às travessuras da lascívia é mesmo essencial. Há que se manter o mínimo de 'calor'. Por ventura, em meio à mentes enlatadas e meticulosamente ajustadas, habitam também os strippers da alma: desnudadores de intensidades e mistérios: por direito,os primeiros, únicos e verdadeiros seres eróticos.

christina fornaciari disse...

palavras-idéias potentes!

me tocaram, me levaram a lê-las de novo.

quando repito, repito muito, até ficar dentro.

e ficou.

beijos

Maria disse...

sou humana demais pra entender, mas a foto está 10